Economia

Bahia vai ganhar 3 fábricas de bebidas; Investimentos ultrapassam R$500 mi

Caso a expectativa do governo se confirme, a Bahia vai superar,  este mês, os R$ 427 milhões investidos pelo segmento no Estado em 2011.

Os nomes das três empresas são mantidos sob sigilo, mas pelo menos uma delas prevê uma fábrica na região entre Dias D’Avila e Alagoinhas para aproveitar um dos grandes trunfos que a Bahia tem para a atração de empresas do ramo: o lençol freático de São Sebastião.

A água de boa qualidade que brota do subsolo da região foi um dos principais atrativos para a instalação da fábrica da Schincariol em Alagoinhas, em 1997. Em 2010, a empresa anunciou uma ampliação de R$ 400 milhões, que praticamente dobrou a capacidade de produção na planta.

Mais recentemente, as águas de São Sebastião despertaram o interesse das empresas peruanas AJE Group e San Miguel, que ingressaram no Brasil com investimentos na faixa dos R$ 60 milhões cada, interessados em conquistar o mercado nordestino com as  chamadas “tubaínas modernas”. A proposta do Big Cola, carro-chefe da AJE Group, e da Kola Real, do San Miguel, é oferecer ao mercado produtos com preços mais em conta, mas elaborados com elevados padrões de qualidade.

Geração de empregos

Em fase de pré-operação, a San Miguel está montado, a partir da Bahia, um centro de operações para ganhar espaço na Região Nordeste. A fábrica vai gerar 250 empregos diretos, enquanto a rede de distribuição, em sete dos nove estados nordestinos, será responsável pela geração de mais 800 postos de trabalho. No caso do AJE Group, os números de empregos gerados são bastante parecidos.

Além de ganhar espaço como polo para a produção de bebidas, a Bahia começa a vivenciar o adensamento da cadeia. “Estamos produzindo latinhas aqui no Estado. Não dá mais para atender a demanda da Bahia com os produtos de fora”, comemora James Correia, secretário da Indústria, Comércio e Mineração. Segundo ele, a inauguração da unidade da Latapack Ball, em Alagoinhas, está prevista para o mês que vem. Além disso, Correia diz que está em fase final a implantação de uma fábrica de latas dentro da planta da Schincariol para atender à demanda da cervejaria.

Mercado consumidor

O especialista na captação de investimentos acrescenta que os índices de crescimento da região e o aumento do mercado consumidor têm atraído um tipo de investidor bastante interessante para a geração de empregos. “Um investimento de R$ 50 milhões na indústria petroquímica gera dez empregos. No segmento de bebidas, são 200 com o mesmo investimento”, compara Figueiredo. Além disso, ele lembra que a produção de bens finais alimenta a geração de postos de trabalho. “A distribuição supera o que é gerado na produção”, diz.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo