História

Morre sambista e compositor Ederaldo Gentil, um dos maiores da Bahia

Ao lado de nomes como Edil Pacheco e Batatinha se notabilizou como um dos maiores sambistas da Bahia.

 

Gravado por Clara Nunes, o maior sucesso de Ederaldo foi o poético samba “O Ouro E A Madeira”, que trazia a letra “O ouro afunda no mar, madeira fica por cima, ostra nasce do lodo, gerando pérolas finas”. O enterro está marcado para este sábado (31), às 16 horas, no Cemitério do Campo Santo.

 

Antes de se enveredar pela música teve uma rápida passagem pelo mundo da bola, atuando como meia-esquerda no Esporte Clube Guarany, onde fazia dupla com o ex-jogador André Catimba (que mais tarde fez história no Esporte Clube Vitória). Consta que Ederaldo Gentil chegou também a treinar no Vitória. Foi na música, no entanto, que alcançou seu primor profissional.

 

Lançou cinco discos, entre álbuns de carreira e coletâneas, com apenas dois deles sendo editados em CD, além de um compacto simples.  A estreia foi o compacto simples “Triste samba/O ouro e a madeira”, lançado em 1973 pela Chanteclair, no qual apresentou o maior sucesso da carreira.

 

Em 1975, também pela Chanteclair, lançaria o primeiro disco “Samba, Canto Livre de um Povo”, que também trazia a clássica “O Ouro E A Madeira. Ainda pela Chanteclair, lançou, em 1976, “Pequenino”. Seis anos depois, em 1983, soltou o álbum “Identidade”, pela Nosso Som Gravações e Produções.

 

Muitos anos depois, em 1999, a Copene – Companhia Petroquímica do Nordeste lançou em CD o álbum “Pérolas finas”. Produzido pelo amigo Edil Pacheco, o disco, uma espécie de tributo, trazia nomes como Gilberto Gil, João Nogueira, Luiz Melodia, Elza Soares, Carlinhos Brown e Beth Carvalho cantando suas composições.

 

Em 1998, a EMI lançou o disco “Diplomacia”, de Batatinha, que trazia Ederaldo ao lado do próprio Batatinha, além de Nélson Rufino, Walmir Lima, Edil Pacheco e Riachão na faixa “De revólver não”. O disco trazia ainda uma de suas parcerias com Batatinha, “Ironia”, interpretada por Jussara Silveira. Atualmente, um projeto da Garimpo Discos está em curso para relançar numa caixa os quatro discos do sambista.

 

Deprimido e desanimado com a vida artística, Ederaldo se isolou e viveu durante os últimos anos uma espécie de exílio voluntário em sua casa no bairro da Vila Laura, onde residia com a irmã Denise Gentil e outros familiares. Doente, passou muitos anos sem contato social e artístico.

 

Com informações de Luciano Matos – Correio

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo